Inspiração

Yamuna, a deusa da Purificação

Yamuna é o nome da Deusa indiana da purificação. Yamuna Devi é representada sentada em cima de uma tartaruga ou peixe dentro da água, ou dançando sobre pedras de um rio.

O nome Yamuna também batiza o Rio Yamuna, um dos principais afluentes do sagrado rio Ganges. O Rio Yamuna nasce em Yamunotri na cordilheira dos Himalaias e passa pelos estados de Deli, Uttar Pradesh e Haryana antes de se unir ao Ganges em Allahabad. Cidades como Delhi, Mathura, Vrindavan e Agra encontram-se nas suas margens, sendo o Yamuna considerado um dos sete rios sagrados da Índia e segundo em termos de importância religiosa - maisn de 50 milhões de Indianos depende de suas águas para viver.

De acordo com a mitologia, a deusa do rio Yamuna é a irmã do deus hindú da morte, o deus Yama, e filha do deus do Sol, Surya. Segundo o Mahabharata, o deus Krishna passou a sua infancia nas águas deste rio. Acredita-se que o fiel que peregrina banha-se pelo menos uma vez durante a vida nas águas gélidas na nascente do rio Yamuna garante uma morte em paz.


É comum encontrar uma imagem feminina representando Yamuna Devi na entrada dos templos hindús, sendo ali colocada como forma simbólica de purificar os fiéis antes de entrar em local sagrado.
Mantra para Yamuna
cid-ànanda-bhànoh sadà nanda-sùnoh
para-prema-pàtrì drava-brahma-gàtri
aghanam lavitrì jagat-ksema-dàtri
pavitrì-kriyàn no vapur mitra-putrì
  Oh Yamuna, filha do sol! Você é objeto do amor de krishna,
o alvorecer da sagrada consciência eterna
O seu corpo é a forma líquida fluente do corpo de Brahman
Tu limpas os caminhos de todos os seres do mundo trazendo auspiciosidade
Por favor, nos purifique!
Na Ayurveda, os estudos de astrologia são muito importantes. A preparação de vários medicamentos respeita a influência não só da lua, mas de todo o movimento do céu e das constelações. Este estudo é chamado de Jyotish ou astrologia védica, e tem um desenho diferente da astrologia ocidental. 
Os mestres alquimistas relacionavam as diversas propriedades das plantas, os seus perigos e os seus poderes curativos com as influências recebidas pelos astros e principalmente pela Lua. Segundo esses conhecimentos antigos, plantas diferentes colhidas na mesma estação, numa determinada hora – ou seja, sob a mesma influência astrológica – são capazes de produzir efeitos específicos muito peculiares. Por outro lado, a mesma planta colhida num momento diferente pode determinar efeitos complemente distintos.

Lua Nova é o período em que as plantas renovam as suas propriedades e o seu princípio activo. Boa fase para colher tanto as plantas cuja acção exercem efeitos psíquicos, como as que são aplicadas nos casos de feridas externas, purulentas, em úlceras ou cortes com hemorragia.

Lua cheia, o princípio activo ou mineral das plantas atinge a sua maior concentração. É um período excelente para a colheita, quando se pretendem obter preparados de acção muito potente.

Quarto crescente, as propriedades e o princípio activo estão a desenvolver-se. É o momento adequado para a colheita das plantas que serão usadas nos casos de anemia, fraqueza, na convalescença, no pós-parto e nas doenças terminais.

Quarto minguante aqui o princípio activo começa a decrescer. Trata-se de um bom momento para a colheita e o uso de plantas muito tóxicas, quando se pretende reduzir o seu efeito geral, como as ervas que reduzem inflamações e tumores e as que facilitam as eliminações.

A lua e a colheita

Muito se fala da influência da lua nas águas do mar subido e descendo as marés, seu movimento de fertilidade no corpo feminino. Assim como o mar e o corpo humano, as plantas tem em sua composição muita água e é nela que observamos este poder cíclico da lua.

A água da planta é chamada de seiva; os líquidos presentes em seu interior carregados de óleos essenciais, resinas e componentes bio-químicos que a planta produz como resposta ás influências que ela recebe do seu meio: sol, chuva, vento, tipo de solo etc.

Além de reger o movimento da seiva, a lua também exerce o poder da luminosidade, quanto mais claridade da lua uma planta recebe, mais ela responde a este estímulo formando maior número de princípios ativos. Quem lida com plantas sabe desta importância fundamenta para uma boa colheita e plantio. A importância desse ciclo está no fato de que, nos períodos de Lua ascendente, a seiva das plantas se move para as extremidades: folhas e flores e, acumula-se mais na parte aérea, ou seja, acima do solo. No período descendente, a seiva retorna à raiz.

Observando este movimento da lua, a coleta para produção dos óleos medicados Yamuna é realizada no momento mais auspicioso: quando a planta está no seu pico de seiva, repleta dos princípios medicinais. Para colher as folhas e flores, a melhor fase é a lua cheia. Toda a parte aérea da planta está mais viva e suculenta devido a esta quantidade de seiva. Para colher raízes como guanxuma para produção de Bala taila, espera-se que a lua míngüe e com ela a seiva desça até a raiz.

Inscreva-se e receba dicas e novidades Yamuna